Especial Brasil, aqui tem SUS: suporte psicológico aos usuários durante a pandemia - CONASEMS

Especial Brasil, aqui tem SUS: suporte psicológico aos usuários durante a pandemia

A psicóloga Mônica Regina Trindade Santos, que acompanha usuários de cinco Unidades de Saúda da Família do município de Nossa Senhora do Socorro – SE, foi surpreendida no dia 12 de março com a notícia de que as atividades dos grupos terapêuticos sob sua coordenação seriam suspensas por tempo indeterminado. A pandemia provocada pelo coronavírus, que começava a se intensificar no país, exigia um reordenamento do sistema de saúde.  Segundo maior município do Estado de Sergipe, com 181.503 habitantes, a cidade tinha no dia 12 de agosto quase 2.900 casos confirmados da doença.

Mônica recorda das dificuldades de construir vínculos com os usuários que permitissem formar os grupos terapêuticos. Diante da interrupção das rodas de conversa, ela temia os riscos de descontinuidade do tratamento.  “Fiquei me perguntando o que faria para não deixar os usuários sem acompanhamento. O meu medo não era nem tanto em relação à Covid, mas ao suicídio, porque a maioria apresenta algum problema psicológico ou sintomas de transtorno mental”, recorda a psicóloga.

O projeto acompanha 50 usuários em grupos divididos entre adultos e adolescentes. Há pessoas enfrentando quadros de depressão e esquizofrenia, por exemplo. A psicóloga resolveu então fazer uso de ferramentas tecnológicas para se manter presente na vida daqueles usuários. Criou grupos de encontros em plataformas online, introduziu também atendimentos individuais virtuais e se manteve atenta aos pacientes mais silenciosos, que se ausentavam temporariamente do grupo.  Passados quase cinco meses do início do projeto, a psicóloga comemora a permanência de todos os usuários.

Valdinete, de 36 anos, mãe de dois filhos, conta como a experiência de participar do projeto mudou sua perspectiva em relação à vida. A inserção no grupo foi motivada pelo sentimento permanente de inutilidade, incapacidade e isolamento em relação às pessoas. “Eu pensava em várias coisas, em fugir, tirar minha vida, sem saber como cuidar dos meus filhos. Eram pensamentos muito negativos”, lembra. Com a ajuda da psicóloga e o compartilhamento de sua experiência com os demais integrantes do grupo, ela foi reconquistando a autoestima e hoje se prepara para se tornar uma pequena empreendedora. Como Valdinete, muitos outros usuários têm relatado a importância do apoio psicológico, ainda mais fundamental em momentos de pandemia.

Para manter a atenção dos participantes, Mônica grava vídeos com temas motivacionais que pretende abordar e manda aos usuários com antecedência. As temáticas são a porta de entrada para um debate mais amplo que envolve a participação de todos e tem como pano de fundo as angústias diante do confinamento. As reuniões acontecem semanalmente e a metodologia de trabalho busca conservar as rotinas dos grupos presenciais, a exemplo da comemoração dos aniversariantes do mês e a realização de festas juninas. Mônica gosta de analogias, utiliza-se de personagens como a Dory, do filme Procurando Nemo, ou Pinky e o Cérebro, para mostrar o poder das pessoas para modificar pensamentos negativos.

Esta foi a experiência do estado de Sergipe selecionada na primeira live da I Mostra Virtual Brasil, aqui tem SUS, realizada no dia 18 de agosto, no canal do Conasems no Youtube, como parte da programação do I Congresso Virtual do Conasems.

Se você ainda não assistiu, confira abaixo a 1ª roda de conversa da Mostra Virtual:

 

Texto: Giovana de Paula, colaboradora externa

Compartilhar