Segunda etapa da vacinação contra Influenza começa em todo o país - CONASEMS
voltar

Notícias | 12/05/2021

Segunda etapa da vacinação contra Influenza começa em todo o país

A segunda etapa da campanha de vacinação contra a gripe começou nesta terça-feira (11/05) em todo o Brasil. Essa ação é tão importante quanto a vacinação contra a Covid-19. Se você faz parte ou tem algum familiar nos grupos prioritários que ainda não se vacinou, é hora de procurar um posto de vacinação. Se proteger contra a gripe é extremamente importante para evitar complicações e óbitos pela doença.

Nesta segunda fase, serão vacinadas as pessoas com 60 anos ou mais e os professores, totalizando 32,8 milhões de pessoas. Se você está entre o grupo contemplado na primeira etapa e ainda não se vacinou, não se preocupe. Pessoas pertencentes aos grupos da etapa anterior também poderão ser vacinados nessa fase.

Até o momento, 29,5% do público-alvo da primeira etapa foram vacinados. Na primeira fase, foram contempladas um total de 25,1 milhões de pessoas: crianças de 6 meses a menores de 6 anos de idade (5 anos, 11 meses e 29 dias); gestantes e puérperas (até 45 dias após o parto); povos indígenas e trabalhadores da saúde.

Ao todo, mais de 79,7 milhões de brasileiros fazem parte do público-alvo da Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza. Considerando o total de pessoas que devem ser vacinadas nas três etapas, só 9,6% receberam o imunizante até agora. A meta é atingir, pelo menos, 90% do público-alvo.

“A vacinação é extremamente importante para reduzir internações, complicações e óbitos na população-alvo, especialmente com a proximidade do inverno, quando as doenças respiratórias são mais frequentes”, alerta Arnaldo Medeiros, secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde.

DOSES DISTRIBUÍDAS E APLICADAS

O Ministério da Saúde distribuiu 34,8 milhões de doses até o momento, para todos os estados e Distrito Federal, e apenas 7,6 milhões foram aplicadas. A vacinação contra a gripe pode ser acompanhada pelo LocalizaSUS.

Ao todo, o Ministério da Saúde distribuirá 80 milhões de doses da vacina influenza trivalente, produzida pelo Instituto Butantan, em remessas semanais, até o fim da campanha, que vai até o dia 9 de julho. O investimento para compra das doses foi de R$ 1,2 bilhão.

VACINA INFLUENZA E COVID-19

Como duas campanhas de vacinação da gripe e da Covid-19 estão acontecendo ao mesmo tempo, a orientação do Ministério da Saúde é para que a vacinação contra a Covid-19 seja priorizada nos grupos prioritários.

Assim, a população-alvo da vacinação contra gripe e que ainda não recebeu doses contra a Covid-19, deve receber antes a vacina Covid-19 e fazer o agendamento da aplicação da vacina influenza, respeitando um intervalo mínimo de 14 dias entre elas.

Por conta da pandemia, o Ministério da Saúde tem divulgado aos estados, municípios e Distrito Federal medidas para garantir a vacinação segura em mais de 50 mil postos de saúde espalhados pelo país, reforçando a adoção de cuidados sanitários como uso de máscaras, respeito ao distanciamento seguro e higienização das mãos.

DOCUMENTO DE IDENTIFICAÇÃO

Para se vacinar, vá até um serviço de saúde levando a caderneta de vacinação e um documento com foto, para que os profissionais de saúde localizem o cadastro no sistema de informação. No entanto, não ter a caderneta de vacinação em mãos não é impeditivo para tomar as vacinas ofertadas pelo Ministério da Saúde.

A população que ainda não estiver pré-cadastrada no Sistema de Informações do Programa Nacional de Imunizações (SIPNI) ou em uma unidade de saúde do Sistema Único de Saúde (SUS) pode apresentar, além do documento de identificação, qualquer documento que comprove pertencer aos grupos de risco da campanha de vacinação. Procure um serviço de vacinação do seu município para informações sobre o comprovante a ser apresentado.

GRUPOS PRIORITÁRIOS

Os grupos prioritários que serão vacinados em três etapas, conforme a recomendação do Ministério da Saúde, são:

  • crianças de 6 meses a menores de 6 anos de idade (5 anos, 11 meses e 29 dias);
  • gestantes e puérperas até 45 dias após o parto;
  • povos indígenas;
  • trabalhadores da saúde;
  • idosos com 60 anos ou mais;
  • professores do ensino básico e superior;
  • pessoas com doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais;
  • pessoas com deficiência permanente;
  • forças de segurança e salvamento e Forças Armadas;
  • caminhoneiros e trabalhadores de transporte coletivo rodoviário de passageiros urbano e de longo curso;
  • trabalhadores portuários;
  • funcionários do sistema prisional
  • adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas;
  • população privada de liberdade.

Via Agência Saúde

Compartilhar