voltar

Gestão | 22/11/2018

Rede Conasems-Cosems elabora documento norteador para Governança e Regionalização da saúde

O Conasems e o Cosems Paraíba promoveram em João Pessoa, nos dias 21 e 22 de novembro, a oficina Regionalização e Governança no Sistema Único de Saúde (SUS). O objetivo do encontro foi traçar diretrizes para o processo de regionalização da saúde e promover reflexões sobre os espaços de governança no SUS. Gestores e Cosems de todo país contribuíram para a elaboração de um documento que será norteador para o processo regionalização nas 438 regiões de saúde do Brasil.

O primeiro dia do evento focou na discussão das diretrizes para implementação da regionalização, abordando as realidades e desafios dos territórios. Foi discutido a necessidade da Atenção Básica se estabelecer como principal porta de entrada e ordenadora da rede e do cuidado. Para o consultor do Conasems, Marcos Franco, é preciso levar em consideração o princípio da descentralização, independente do estado que o município se encontra. De acordo com o assessor do Conasems, Rodrigo Lacerda, para promover o cuidado regionalizado deve-se pensar a partir do empoderamento do gestor de saúde, do trabalhador do SUS. “O objetivo é inverter a lógica de indução fragmentada do Ministério da Saúde, o que exige maior dedicação, conhecimento e protagonismo do município. Essa é nossa expectativa, o fortalecimento de forma descentralizada e ascendente”, afirmou Rodrigo.

O pesquisador André Bonifácio destacou, durante o segundo dia da oficina, a evolução do conceito de Regionalização. “Apesar das distintas nomenclaturas o conceito central não se modificou, mas tem que ser reforçado, evoluído em sua compreensão. É preciso ir além do conceito e mostrar vias possíveis no campo de atuação do gestor, sempre tendo em vista a integralidade do cuidado e a Atenção Básica como ordenadora do cuidado”.

O pesquisador também ressaltou o protagonismo dos Cosems nesse cenário. “A regionalização é o espaço de disputa política, existe a necessidade de boa relação interfederativa e o papel preponderante dos Cosems. Existem problemas comuns, mas as especificidades devem ser levadas em conta na tomada de decisão”.

O documento apresentado e discutido passará por revisão e aprovação da diretoria do Conasems e será disponibilizado no Portal Conasems até o fim de janeiro.

Confira a galeria de fotos