voltar

Gestão | 22/11/2019

Rede Conasems/Cosems e parceiros se reúnem para discutir continuidade do projeto Rede Colaborativa

A continuidade do projeto Formação Rede Colaborativa para Fortalecimento da Gestão Municipal do SUS foi tema de debate nesta quinta-feira (21) em São Paulo. O encontro entre Conasems, Hospital Alemão Oswaldo Cruz (HAOC), coordenadores de apoio e presidentes de Cosems suscitou a discussão sobre as perspectivas de continuidade da estratégia apoio Cosems após 2020.

Um dos pontos tratados durante o encontro diz respeito à oferta de capacitação aos apoiadores em todo o território nacional voltado à Política Nacional de Atenção Básica e o novo modelo de financiamento da Atenção Básica para auxiliar os gestores municipais do SUS. Conforme salientou a vice-presidente do Conasems, Cristiane Pantaleão, “é um pleito do Conasems junto à Secretaria de Atenção Primária em Saúde do Ministério da Saúde (SAPS) a realização de oficina de capacitação de toda a rede colaborativa, somada aos presidentes dos Cosems e técnicos das Secretarias Estaduais da Saúde”.

Dentre a proposta apresentada na reunião, algumas ações sugeridas para promover a construção do conhecimento técnico dos apoiadores são: alinhamento institucional, realizando reunião com a diretoria e equipe técnica dos Cosems para orientação prévia sobre o novo modelo de financiamento da Atenção Básica e oficina de capacitação para os apoiadores.

A partir da capacitação de toda a rede colaborativa, os gestores municipais terão acesso ao apoio técnico e qualificado a partir da promoção de oficinas regionais com foco nos municípios mais vulneráveis e com possibilidade de perda de recurso. “O Conasems participou das discussões de alinhamento do novo financiamento da Atenção Básica e estabeleceu como condição principal que nenhum município perca verba. Se vamos fortalecer a Atenção Básica no Brasil, isso tem que contemplar todos”, justificou o presidente do Conasems, Wilames Freire.

O presidente do Cosems SP, José Eduardo Fogolin, apontou em sua fala que “é importante que o Conasems assuma compromissos junto à SAPS com foco nos municípios que podem ter perdas, justamente pra evitar que isso aconteça. Enquanto entidade nacional, o Conasems tem o compromisso de que nenhum município tenha seu orçamento prejudicado. É importante também que os Cosems assumam compromisso com os municípios para que eles cumpram as metas estabelecidas pelo Ministério da Saúde para que todos recebam mais recursos do Governo Federal”.

O vice-presidente do Conasems, Charles Tocantins, complementou dizendo que “neste momento, a gente precisa fortalecer a política e não mais fazer oposição a ela. A Atenção Básica é a principal porta de entrada do SUS e sabemos que precisamos melhorar a oferta dos nossos serviços e ampliar a cobertura das nossas equipes”. “Gostaria de deixar claro que o novo modelo de financiamento da Atenção Básica não força somente o gestor municipal a alcançar metas, mas o Governo Federal também. O Ministério da Saúde precisa melhorar seus sistemas de informação e a oferta de insumos. Nós estamos vivendo o cenário de construção via publicação de uma portaria e não de uma Lei. Dessa forma, podemos propor mudanças após o primeiro quadrimestre e avaliar como essa portaria está sendo implementada”, finalizou o secretário-executivo do Conasems, Mauro Junqueira.

Confira mais fotos aqui