Orientações técnicas

Demandas do GT de Governança da Informação do Conasems


SIPNI: Finalização da integração esus ab e sipni, com a entrada de dado do registro do vacinado na AB se dando exclusivamente pelo esus ab.

SINAN: módulo de notificação E agravos para registro na AB, conforme previsto desde o advento do esus ab em 2013. Sem prejuízo da continuidade do SINAN, já que se notificação muito além da AB.

HÓRUS e BNAFAR: avanço célere da integração do HÓRUS e esus ab. Fomentando todas as informações registradas no HÓRUS e bnafar como módulo específico dentro do prontuário do paciente, para que os profissionais tenham possibilidade de realizar o devido cuidado ao paciente Territorialização: módulo específico de georreferenciamento e geoprocessamento para manejo da população por parte das equipes que atuam na atenção primária. Hoje não temos nada nesse sentido no sistema.

Regulação: módulo dentro do prontuário do paciente que traga as informações dos pedidos de consultas, exames, cirurgias, bem como de suas execuções, partindo do sistema de regulação.

SISREG: Hoje esses dados estão sendo consumidos pelo “Meu Digisus”, logo esse mapeamento já existe e pode ser consumido pelo esus AB.Codificação de procedimentos: o esus ab possui alguns poucos códigos dentro dos sistemas, como “temperatura”, que atuam em parelelo a SIGTAP. Os municípios necessitam que tal situação seja definida pelo MS, evitando confusões no momento do registro pelos profissionais da saúde.Disseminação da informação para gestão: BI público e com parte mediante a autenticação, com informações para a gestão municipal, trazendo cruzamento de dados e toda a informação relacionada ao registro no esus AB. Sabemos que existe o portal do sisvan, mas além do mesmo ter suas falhas ele não atende toda a necessidade da gestão em saúde municipal.

Telessaude: módulo específico dentro do esus ab para o telessaude, visando cada vez mais universalizar a estratégia e qualificar a atenção no âmbito da AB.Aplicativo para visitas domiciliares: necessidade de aplicativo para uso de médicos, enfermeiros e técnicos de saúde, Al de profissionais do NASF para registro da atenção realizada no âmbito do domicílio do paciente.

Assinatura digital: Órgãos que representam classes de trabalhadores (COREN, CRM, etc) estão questionando os municípios que não imprimem os atendimentos e não exigem assinatura em meio físico de todos os atendimentos realizados pelos profissionais. O que acaba por desmoralizar a implementação do sistema no nível local e desmobiliza a implementação do prontuário eletrônico. Sendo necessária a posição formal do MS acerca do assunto. Manejo da população adscrita ao território: Possibilidade de classificação e estratificação de risco familiar, e por agravo, da população residente no território da equipe de saúde da família.