Oficina reúne técnicos e gestores para discutir desafios da Macrorregião PEBA (PE e BA) - CONASEMS
voltar

Regionalização | 24/01/2020

Oficina reúne técnicos e gestores para discutir desafios da Macrorregião PEBA (PE e BA)

Este é o segundo encontro realizado na macrorregião e integra uma série de ações do Conasems para fortalecer a regionalização do SUS em todo país

O município de Petrolina-PE sediou a segunda oficina do projeto “Fortalecimento dos Processos de Governança, Organização e Integração da Rede de Atenção à Saúde – Regionalização”, na macrorregião PEBA (Pernambuco e Bahia), nesta quinta (23) e sexta (24). Mais de 100 profissionais que trabalham na gestão do SUS estiveram presentes, dentre eles, técnicos, secretários municipais de saúde e vice-prefeitos.

O Projeto Regionalização realizado pelo Conasems em parceria com o Hospital Alemão Oswaldo Cruz (HAOC) e Ministério da Saúde, via PROADI-SUS, está na segunda etapa. A primeira, concluída no final de 2019, percorreu todas as seis macrorregiões de saúde pactuando o projeto de regionalização com os prefeitos e secretários municipais e formalizando a adesão dos municípios. Nesta segunda fase o foco é a análise situacional para identificar as fragilidades, desafios e oportunidades de melhoria da gestão em cada macrorregião. O objetivo é ampliar o protagonismo municipal nos processos de planejamento, governança e operação da rede de atenção à saúde, por meio de uma lógica de planejamento ascendente na elaboração do planejamento regional nas seis macrorregiões.

De acordo com Marcos Franco, consultor do Conasems, o conteúdo tratado nesta etapa do projeto é essencial e deve ser constantemente trabalhado. “É preciso saber o perfil epidemiológico e demográfico para, a partir daí, traçar possibilidades. Qual é a realidade das pessoas que vivem nesta região? Sem dúvida, a análise de situação é um passo importante no processo de planejamento, assim como o monitoramento e avaliação das ações executadas”. Segundo ele, organizar a macrorregião e sua governança significa organizar o processo de integralidade do sistema e cumprir a lei. “O SUS deve funcionar em uma rede regionalizada e hierarquizada, é o que está escrito na lei”.

Dr. Marcos Franco expôs a necessidade de planejar a regionalização com base em dados epidemiológicos

 

A representante do Hospital Oswaldo Cruz, Samara Kielmann, destacou o processo de construção do projeto de regionalização. “Esse trabalho nasceu por um pedido dos municípios. Especificamente aqui, Pernambuco e Bahia, são dois estados que já desenvolveram a discussão sobre uma região interestadual, ou seja, vocês tem bastante para auxiliar nesse processo. O documento que pretendemos construir aqui será feito de forma ascendente e coletiva, o objetivo é mapear as experiências exitosas e as não exitosas para traçarmos o melhor caminho”.

O coordenador do apoio do Cosems Bahia, Manuel Henrique Miranda, comentou sobre situações que ocorrem na região PEBA, que também é realidade de outros locais do país. “Juazeiro-BA e Petrolina-PE, por exemplo, são separados por uma ponte, menos de 6 km de distância, muitos usuários de lá são atendidos aqui e vice-versa, os atendimentos não são negados, mas provocam uma desorganização do sistema, a ideia do planejamento regional é mapear a realidade dessas demandas para ofertar um serviço adequado”. Ele também falou sobre as dinâmicas da oficina. “A metodologia ativa permite maior participação dos secretários e técnicos, que estão lidando com os problemas no dia a dia. Os principais problemas de saúde e da rede foram mapeados e discutidos”.

Oficina buscou traçar análise situacional para identificar as fragilidades, desafios e oportunidades

 

Camila Sihler, coordenadora do Apoio do Cosems Pernambuco, destacou que além da capacitação, a oficina promove interação entre os profissionais dos dois estados. “Nós nos comunicamos sempre, mas apenas por Whatsapp e emails, esse encontro presencial é importante para a integração das pessoas, faz toda a diferença”. Camila também falou sobre o papel dos apoiadores em valorizar as comissões já existentes como o espaço de governança interestadual (CRIE) e o dispositivo de regulação (CRIL).

Cada macrorregião realizará seis oficinas e os trabalhos em cada uma serão conduzidos por um coordenador e facilitadores. A expectativa é que o projeto finalize em novembro de 2020, com a construção de um painel de bordo de cada macrorregião. Ao todo, o Projeto de Regionalização envolverá mais de 350 municípios do país. A próxima oficina acontecerá no próximo dia 27, na macrorregião Metropolitana do Rio Grande do Sul.


Veja mais fotos 

Confira as apresentações feitas durante a oficina:

Fotografia da Macrorregião PEBA

Análise Situacional

Conasems – Regionalização PEBA

Apresentação HAOC

Compartilhar