Live: nova versão do e-SUS Sinan para notificação e investigação de Monkeypox - CONASEMS
voltar

Live | 21/09/2022

Live: nova versão do e-SUS Sinan para notificação e investigação de Monkeypox

O Conasems em parceria com o DATASUS promoveu nesta quinta-feira (22), no Canal Conasems no Youtube uma live sobre a nova versão do Sistema de Informação de Agravos de Notificação, denominada e-SUS Sinan, para notificação e investigação de Monkeypox.

A live contou com os participantes:

Andrea Helena Fernandes Dias – Consultora técnica da CGIAE/DAENT/SVS

Elaine Dias de Oliveira Rincon –  Coordenadora-Geral Substituta da CGIAE/DAENT/SVS

Fernanda Carolina de Medeiros – consultora técnica da CGIAE/DAENT/SVS

Giovanny Vinícius Araújo França – Diretor do DAENT/SVS

O assessor técnico do Conasems, Diogo Demarchi moderou a live

Assista pelo link:

Contexto 

O Ministério da Saúde, por meio da Coordenação-Geral de Informações e Análises Epidemiológicas (CGIAE), do Departamento de Análise Epidemiológica e Vigilância de Doenças Não Transmissíveis (DAENT), da Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS), em parceria com o Departamento de Informática do SUS (DATASUS) e o Departamento de Emergências em Saúde Pública (DEMSP/SVS) lançou nesta segunda-feira (19), nova versão do Sistema de Informação de Agravos de Notificação, denominada e-SUS Sinan, para notificação e investigação de Monkeypox. Em breve, a plataforma irá realizar também a notificação de outros casos de doenças e agravos que constam na Lista Nacional de Notificação Compulsória de doenças, agravos e eventos de saúde pública. A documentação completa do e-SUS Sinan, incluindo ficha de notificação e manual de instruções também foi disponibilizada para gestores de saúde na Plataforma IVIS.

Lançado em 1993 para receber os registros de doenças e agravos de notificação compulsória, a atualização mais recente do Sinan aconteceu em 2007, com disponibilização de uma plataforma on-line em 2010, para registro de casos de dengue e febre de chikungunya. Desde então, o Sinan vinha apresentando dificuldades para sua manutenção, por apresentar tecnologia defasada, com instalações locais nos municípios e transmissão de lotes para a base federal. Em virtude desse cenário, as notificações poderiam demorar até 60 dias para serem incorporadas à base federal, dificultando a análise oportuna dos dados e a tomada de decisão por parte dos gestores. Para acelerar a notificação e qualificar a análise oportuna de dados, a nova versão do e-SUS Sinan foi lançada como plataforma 100% online, com infraestrutura de alta performance, contribuindo para a democratização da informação e permitindo que todos os profissionais de saúde tenham acesso à informação e as tornem disponíveis para a comunidade.

O desenvolvimento da nova versão do Sinan foi aprovado em julho deste ano pelo Comitê de Informática e Informação em Saúde (CIINFO). Os benefícios da plataforma estão voltados para a inovação que ela promove no processo de trabalho da vigilância em saúde, uma vez que permite a identificação unívoca do indivíduo, por meio do CPF e do CNS, e propõe a utilização de uma ficha única de notificação, com padronização dos campos comuns, registro de sinais e sintomas com base em uma terminologia padronizada, bem como possibilidade de inclusão de mais de uma suspeita diagnóstica. Além disso, estas mudanças também contribuem para a integração dos dados do Sinan com outros sistemas de informação, facilitando a interoperabilidade entre os sistemas e com a Rede Nacional de Dados em Saúde (e-SUS Sinan).

Considerando a emergência de saúde pública de importância internacional em decorrência do Monkeypox, declarada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) em 23 de julho de 2022, o MS priorizou, junto ao Departamento de Informática do SUS (Datasus), o desenvolvimento do e-SUS Sinan, iniciando pelo desenvolvimento das fichas e funcionalidades para vigilância da emergência.

 

 

Compartilhar