Jornal Nacional: Segunda dose da vacina está atrasada para 1,5 milhão de brasileiros, diz Ministério da Saúde - CONASEMS
voltar

Conasems na Mídia | 14/04/2021

Jornal Nacional: Segunda dose da vacina está atrasada para 1,5 milhão de brasileiros, diz Ministério da Saúde

O Conselho das Secretarias Municipais de Saúde diz que o ministério não leva em conta o atraso na atualização dos dados.

Um levantamento do Ministério da Saúde mostrou que a aplicação da segunda dose da vacina está atrasada para 1,5 milhão de pessoas. Cidadãos que não voltaram para completar a imunização.

O prazo entre uma dose e outra é de até 28 dias para quem tomou a CoronaVac, do Instituto Butantan, e de até 84 dias para a AstraZeneca, da Fiocruz. Segundo o Ministério da Saúde, mais de 1,5 milhão de pessoas que receberam a primeira dose da vacina não retornaram aos postos de saúde para tomar a segunda dose dentro do prazo.

“Só destaco aqui que, mesmo que se vença o prazo, a orientação do PNI é que elas completem o esquema. Fizemos um levantamento contando esses dias, e tem para completar, que já deveriam ter completado o esquema com a segunda dose, 1,5 milhões de brasileiros”, relatou a coordenadora do Programa Nacional de Imunizações, Francieli Fantinato.

O Conselho das Secretarias Municipais de Saúde diz que o ministério não leva em conta o atraso na atualização dos dados.

“Pela necessidade da população de tomar a vacina, não acredito que isso está acontecendo, que as pessoas não estão indo procurar. Eu acredito que o que está acontecendo é esse delay na informação do dado para o Ministério da Saúde”, comentou o presidente do Conasems, Mauro Junqueira.

O Ministério da Saúde reconhece que estados e municípios nem sempre repassam as informações dos vacinados no prazo exigido de 48 horas.

Infectologistas afirmam que tomar as duas doses não protege apenas quem se vacina, mas cria uma barreira na comunidade inteira, diminuindo as possibilidades de alguém se infectar. Por isso, mesmo depois do prazo, é muito importante tomar a segunda dose para garantir a total eficácia da vacina.

“A segunda dose é aquela que é dose de reforço e que todos os ensaios clínicos mostraram que é fundamental receber essa segunda dose para que você seja considerado plenamente protegido, dentro daquilo que aquele produto oferece. Você que recebeu a primeira dose precisa tomar a segunda dose para que a gente consiga alcançar o propósito, o objetivo final da imunização, que é proteger você. Com uma dose só você não está plenamente protegido”, alertou o infectologista Jamal Suleiman.

 

Confira o vídeo da reportagem na íntegra

Via Jornal Nacional 

Compartilhar