Hospital referência em doenças infecto-contagiosas em SC promove Semana de Combate à Aids - CONASEMS
voltar

Gestão | 01/12/2010

Hospital referência em doenças infecto-contagiosas em SC promove Semana de Combate à Aids

images
images1º de dezembro é o Dia Mundial de Luta contra a Aids. Para marcar a data, o Hospital Nereu Ramos, em Florianópolis, promove a partir desta quarta-feira a 6ª Semana de Combate à Aids, com foco na Infecção por HIV e Comorbidades, e a Diretoria de Vigilância Epidemiológica lança o Informativo Epidemiológico Barriga Verde, com o objetivo de incentivar a reflexão e a solidariedade pelo fim do estigma e da discriminação aos portadores da doença.

A Semana de Combate à Aids será realizada no próprio hospital, até sexta-feira, 3 de dezembro. O evento vai reunir médicos, enfermeiros, profissionais da saúde e estudantes para tratar de temas como Tratamento antirretroviral x Resistência viral, Coinfecção HIV x Hepatites Virais, HIV x Tuberculose, Concepção e Contracepção em Pacientes HIV Positivos, entre outros. A abertura, às 19h30min, será com uma palestra do dr. Gustavo Araújo sobre Fisiotatogenia da Infecção por HIV.

Em 2009, foram notificados 194 casos de HIV em Santa Catarina. Desde 1984, quando surgiu o primeiro caso de HIV no estado, 23.603 adultos e 918 crianças contraíram a doença. A faixa etária mais atingida é entre 30 e 49 anos. Nos últimos anos, chama a atenção a interiorização da doença, tanto que em 2010 municípios como Mirim Doce, com 2.595 habitantes, e Riqueza, com 5.127 habitantes, registraram o primeiro caso de Aids.

A Aids atinge todos os segmentos da população e tem tratamento. Os medicamentos são distribuídos na rede pública de saúde. Quanto mais cedo o diagnóstico for feito, maior a qualidade de vida do portador, que poderá tomar medidas preventivas contra doenças oportunas. “Nosso desafio é ampliar o diagnóstico precoce das DST/HIV, diminuir casos tardios, tornar o teste anti-HIV mais conhecido pela população e estimular a implantação do diagnóstico pelo HIV nos serviços da rede básica de saúde”, avalia Iraci Batista da Silva, gerente de Vigilância das DST/HIV/AIDS da Diretoria de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado da Saúde.

Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Florianópolis (SC)

Compartilhar