Vacinação contra Covid-19 está contribuindo para atualização de cadastros e melhoria do panorama epidemiológico - CONASEMS

Vacinação contra Covid-19 está contribuindo para atualização de cadastros e melhoria do panorama epidemiológico

Com a vacinação contra a Covid-19 as Unidades Básicas de Saúde estão conseguindo cadastrar e atualizar as informações de pessoas que não costumam frequentar os serviços de saúde. Os dados atualizados são essenciais para construir um panorama epidemiológico do município e possibilita a realização de um planejamento estratégico eficiente

Ivaiporã, município com cerca de 32 mil habitantes localizado no interior do Paraná, tem transformado o serviço de saúde em meio às ações de enfrentamento à pandemia da Covid-19. A população assistida pela Estratégia Saúde da Família (ESF) saltou, em 2021, de 60% para 100% e as nove unidades de saúde, que estavam com equipes incompletas, foram reorganizadas. 

O município tem conquistado indicadores importantes no processo de vacinação devido uma combinação entre integração das equipes, boa estratégia de comunicação e busca ativa dos faltosos. “Procuramos de forma contínua quem são e porque alguns pacientes não tomaram a segunda dose. Os agentes comunitários de saúde fazem essa comunicação mais direta com a população, inclusive na zona rural”, explica Ana Regina Moreira Soares, farmacêutica e coordenadora de imunização. 

Outro salto no processo de vacinação veio aliado às ações de transparência. Além de conquistar maior cobertura vacinal, Ivaiporã está conseguindo alimentar o sistema de informação em tempo hábil e, assim, melhorando a prestação de contas. Isso significa que a população tem acesso ao número de vacinas em estoque, quantidade de pessoas vacinadas, reserva de insumos, gastos municipais, etc. O trabalho resultou no reconhecimento do Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR), através da pesquisa denominada Índice de Transparência da Administração Pública (ITP) sobre vacinação, que inclui diversas ações de fiscalização realizadas pelo TCE-PR nos 399 municípios. 

“Antes da recomendação do Tribunal de Contas para a divulgação dos dados da vacinação no portal, já vínhamos liberando informativos. Criamos o vacinômetro, atualizado pelo menos uma vez por semana, com dados das vacinas em estoque e dos grupos já imunizados. A prefeitura fez um portal da transparência geral, com uma aba específica para Covid-19, que reúne gráficos com cobertura por idade e por grupo prioritário”, descreve a coordenadora da Vigilância em Saúde, Nilza Fernandes.

Planejamento estratégico 

A base do planejamento das ações da atual gestão é o perfil da população em termos epidemiológicos. Por isso, a secretaria tem priorizado a territorialização, no intuito de conhecer as condições de vida dos usuários e estabelecer parâmetros de execução das políticas. “Começamos a desenhar o planejamento estratégico e estamos terminando a territorialização. Nosso trabalho se baseia nas necessidades de saúde da população, o que significa que quanto maior o risco da família, mais a unidade de saúde vai oferecer cuidado”, afirma a secretária de saúde do município e vice-presidente do Conasems, Cristiane Martins Pantaleão. Nesse sentido, a vacinação contra a Covid-19 tem dado uma grande contribuição para o município.

Iniciada a inclusão das comorbidades como critério de acesso ao imunizante, a população foi orientada a procurar a unidade de saúde da sua região. Assim, foi possível cadastrar ou atualizar os dados dos usuários, identificando doenças preexistentes. “Com a vacinação contra a Covid-19 as Unidades Básicas de Saúde estão conseguindo cadastrar e atualizar as informações de pessoas que não costumam frequentar os serviços de saúde. A atualização dos cadastros nos dá uma visão melhor do panorama epidemiológico e da distribuição das doenças crônicas no município”, analisa a coordenadora da Vigilância, Nilza Fernandes.

Cristiane Pantaleão reforça a importância da utilização dos dados epidemiológicos para a tomada de decisão. “O mais importante na organização de saúde do município é o fortalecimento da Atenção Básica. É onde tudo começa. Também é fundamental a integração entre Vigilância e AB porque a organização deve ser baseada em indicadores de saúde, para que a ação seja certeira. Caso contrário, ficaremos apenas apagando incêndio”.

 

Compartilhar