Alagoas vai usar código de barras no controle de medicamentos - CONASEMS
voltar

Gestão | 06/01/2011

Alagoas vai usar código de barras no controle de medicamentos

codigo_de_barra_dos_medicamentos_7
codigo_de_barra_dos_medicamentos_7Tecnologia. A Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) começou 2011 dando mais um passo importante no projeto de ampliação e modernização da assistência farmacêutica em Alagoas. Trata-se da implantação do sistema de código de barras no registro de recebimento e distribuição de medicamentos para as unidades pré-hospitalares, hospitalares, Samu e suas bases descentralizadas que integram a rede estadual de assistência à saúde. A iniciativa ajudará o governo a controlar a liberação de medicamentos e correlatos a partir do código de barras.

Segundo o diretor de Assistência Farmacêutica da Sesau, Fábio Pacheco, a utilização do código de barras vai dá mais agilidade, segurança e possibilidade de rastrear a distribuição dos medicamentos, garantindo melhor controle no consumo racional, redução das perdas, além de facilitar a identificação de algum lote que venha apresentar problema. Para implantar o sistema foram adquiridos 30 leitores de código de barras.

O serviço está sendo implantado, inicialmente, nos quatro almoxarifados de medicamentos da Sesau que funcionam nos bairros Farol, Serraria, Tabuleiro do Martins e Vergel do Lago. A segunda etapa vai contemplar as 15 unidades pré-hospitalares e hospitalares; o Samu e as 27 bases descentralizadas. “Ou seja, o sistema funciona como nos grandes supermercados”, exemplifica Fábio Pacheco.

Outro serviço que vai ser agilizado com o código de barras é o inventário dos almoxarifados. Hoje, para realizar o inventário é necessário paralisar o serviço por 2 a 3 dias e mobilizar quase todos os servidores. “Com o código de barras vai diminuir o tempo e o número de pessoal envolvido, possibilitando uma melhor distribuição dos servidores”, explicou Fábio.

O diretor destacou que essa é mais uma das inúmeras medidas implementadas pela Sesau para melhoria da assistência farmacêutica, sobretudo, no processo de modernização do serviço. “A logística da assistência farmacêutica é gigante. Por isso é preciso modernizar com uso de tecnologia que possa melhorar a prestação de serviço na assistência à saúde da população”, afirmou.

Fábio Pacheco lembrou que 2009 e 2010 serviram para regularizar o abastecimento de medicamentos nas unidades de saúde gerenciadas pela Sesau. “Hoje podemos afirmar que estamos com mais de 98% do abastecimento regularizado e a garantia de 80% dos medicamentos necessários para o ano de 2011, porque efetuamos a compra antes do ano começar”, finalizou o diretor.

Assessoria de Comunicação da Secretaria de Saúde de Alagoas 

Compartilhar