ALAGOAS: Treinamento em áreas de risco no Pontal visa evitar tragédia - CONASEMS
voltar

Gestão | 18/01/2011

ALAGOAS: Treinamento em áreas de risco no Pontal visa evitar tragédia

AO_SAMU_APELL_233
AO_SAMU_APELL_233Uma grande operação para evitar tragédias. Duas Unidade de Suporte Avançado (UTI Móvel), duas Unidades de Suporte Básico (USB) e um Veículo de Transporte Rápido (VTR), além dezenas de profissionais entre médicos, enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem e condutores socorristas. Com esta estrutura, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) por meio do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu 192) participou do primeiro simulado realizado na Comunidade da Palha, localizada entre o trevo do Pólo e o Balneário Broma, no município de Marechal Deodoro. Na comunidade tem cerca de 100 moradias, cerca de 500 pessoas aproximadamente

Na avaliação dos coordenadores da simulação, a operação que durou cerca de 60 minutos foi satisfatória e atingiu o objetivo desejado. Foi o que disse o médico Paulo Alfredo, representante do Samu no Plano Global de Atendimento a Situações de Emergência (PGASE/APELL). “Temos certeza que fizemos tudo que era necessário para salvar as possíveis vítimas da comunidade”, comentou.

O simulado faz parte do Plano Atendimento a Situações de Emergência, que envolve diversas entidades,  como s Braskem, Samu 192, Corpo de Bombeiros 193 , Polícia Militar, Instituto do Meio Ambiente (IMA), Coordenadoria Estadual de Defesa Civil, Departamento de Estradas de Rodagem (DER), Polícia Rodoviária Federal, Batalhão de Trânsito Estadual, Coordenadoria de Municipal de Defesa Civil do  município de Marechal Deodoro, entre outras.

Na simulação, o médico Maxwell Vilaça, que coordenou a equipe de profissionais, atendeu, junto com os profissionais, dez “vítimas” ; duas em estado “grave,” em que uma chegou a “falecer” (ficou na lona preta) e a outra foi encaminhada para o Hospital Geral do Estado (HGE); três delas estavam em estado de observação – na área amarela (lona amarela). O local foi distribuído com lonas de acordo com a gravidade do paciente: vermelha (grave), amarela (gravidade média), verde (acidentado leve) e preto (falecido).

“Fizemos nosso trabalho para que tudo fosse feito mais próximo da realidade e por isso dispomos de todos os materiais necessários para um caso real, como cilindro de oxigênio, colar cervical, maca, medicamentos, soro, destacou o médico Maxwell Vilaça, satisfeito com toda a operação realizada no simulado.

De acordo com o médico Paulo Alfredo, foi o primeiro exercício de acionamento do plano global de atendimento na área da Tubovia da Braskem, A Apell já realizou dez simulados em Maceió.Cerca de 120 pessoas participaram da operação na Comunidade da Palha.

Participam da operação, o Corpo de Bombeiro, Polícia Militar, Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), Coordenadoria Estadual de Defesa Civil, Instituto do Meio Ambiente, Departamento de Estradas e Rodagens, Polícia Rodoviária Federal, entre outras. Além da participação de representantes da comunidade do Broma e da  população dos bairros do Trapiche e Pontal da Barra.”Todos estes simulados são importantes para que possamos ter uma idéia geral do que possa ocorrer, na realidade”, ressaltou José Augusto Dantas, responsável pela APELL como consultor.

O acidente foi simulado no local numa “suposta explosão” de etano – gás altamente tóximo, ocorrida na Braskem local. De acordo com o coordenador da Central do Samu de Maceió, o médico José Kleber Santana, a participação do Corpo de Bombeiros, das entidades envolvidas e também da população envolvida, foi fundamental para se avaliar todo o processo da operação para que se realize um trabalho eficiente e eficaz, caso haja um caso real. Destacou que o objetivo principal foi alcançado: conscientizar a população e prepará-la para um eventual acidente.


Assessoria de Comunicação da Secretaria de Saúde de Alagoas 

Compartilhar