Saiba mais sobre os trabalhos apresentados na 3ª Roda de Conversa da I Mostra Virtual Brasil, aqui tem SUS - CONASEMS
voltar

Mostra | 16/09/2020

Saiba mais sobre os trabalhos apresentados na 3ª Roda de Conversa da I Mostra Virtual Brasil, aqui tem SUS

O Conasems divulgou nesta segunda-feira (14), em live no Instagram, mais nove projetos selecionados pelos avaliadores na 2ª etapa da I Mostra Virtual Brasil, aqui tem SUS. Os trabalhos serão apresentados em duas rodas de conversa virtuais, a primeira aconteceu nesta terça (22) e a segunda acontecerá na próxima semana (29). As lives fazem parte da programação do I Congresso Virtual do Conasems

Até o momento, nas duas etapas, foram inscritos 834 trabalhos e 381 foram selecionados pelos Cosems para serem avaliados. Cada um deles passou pelo crivo de três avaliadores independentes, cuja a nota final indicou as nove experiências exitosas no enfrentamento à Covid-19 desta etapa.

Na live do dia 22/09, os autores de cinco projetos apresentaram seus trabalhos em transmissão ao vivo pelo canal do Conasems no YouTube.

Conheça um pouco mais sobre cada experiência:

A terceira live da I Mostra Virtual Brasil, aqui tem SUS foi um tributo aos trabalhadores, que demonstraram o comprometimento com a saúde coletiva, a criatividade e sobretudo a capacidade de reinvenção no território diante de um contexto tão adverso de pandemia. A Mostra faz parte da programação do I Congresso Virtual do Conasems e tem como meta valorizar o esforço dos municípios no enfrentamento à Covid-19. Além dos autores de cinco experiências municipais, o evento contou com a participação do ex-presidente da entidade, Antônio Carlos Figueiredo Nardi, como mediador, e da professora doutora da Universidade de Brasília (UNB), Fátima Souza, na condição de comentarista dos trabalhos.

Antônio Nardi agradeceu a participação no encontro e ressaltou a honra de fazer parte do Conasems e de nunca ter perdido o vínculo com a gestão municipal. “A página do Conasems no youtube tem muitos seguidores que terão o prazer de ver o que o SUS produz e, mais do que isso, o que cada um dos municípios presentes irá apresentar”. Na ocasião, ele também saudou a participação dos Cosems como propulsores e multiplicadores de informações. A professora Fátima Souza, que avaliou cada um dos trabalhos, fez alusão ao conceito de pedagogia da presença, do educador Paulo Freire, para defender a importância e o papel dos municípios na condução das políticas de saúde.

Quissamã

A primeira experiência apresentada traz o trabalho do município de Quissamã (RJ), que buscou qualificar a sua intervenção com a chegada da Covid-19 através de uma parceria com a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Utilizando-se da ferramenta de Educação Permanente, a universidade tem construído com os profissionais de saúde o desenho das ações territoriais de combate à Covid-19, o planejamento da atenção à saúde no que se refere a outros agravos, como também o enfrentamento do medo da morte.

“Sentimos necessidade de discutir os processos de trabalho na Atenção Primária porque estávamos sendo bombardedos por uma avalanche de informações muitas vezes contraditórias”, afirmou Delba Machado Barros, coordenadora de planejamento e gestão em saúde da Secretaria Municipal. “Esse trabalho nos retira a ilusão de que os municípios de pequeno porte não têm recursos materiais e intelectuais para resolver seus problemas. E é na construção de novos saberes que a gente se encontra e reencontra”, afirmou a professora Fátima Souza, que ressaltou também o valor de cuidar de quem cuida e a importância de colocar o conhecimento científico em favor da superação da miséria.

Sítio Novo do Tocantins

A segunda experiência, de Sítio Novo do Tocantins, um município também de pequeno porte, mostrou a importância da intersetorialidade para amparar a população carente mais exposta à pandemia. “Precisávamos da Assistência Social e da Educação para definir o que fazer para ajudar as pessoas a permanecerem em casa com dignidade. Elas têm medo da pandemia, mas têm mais medo de passar fome”, afirmou Paulo César Duarte Farias, autor do trabalho. A conjunção de esforços garantiu a distribuição de alimentos, material didático e kits de proteção contra à Covid. “Um município de 10 mil habitantes está nos dizendo que uma política de estado mínimo não se sustenta. Está na Constituição a necessidade de garantir a seguridade social”, defendeu a professora Fátima Souza.

Paudalho

De Paudalho (PE), outro município onde boa parte da população depende de programas de renda mínima, veio a experiência de monitoramento da população com suspeita de Covid-19. Indo além das orientações dadas pelas outras instâncias de governo, foi criado um sistema de monitoramento próprio para acompanhar de perto pacientes com sintomas leves da doença. “Através dos dados, foi possível montar boletins epidemiológicos detalhados, que se refletiram na estabilização dos casos graves e na diminuição da letalidade”, afirmou Emmanuela Mota dos Santos, autora da experiência.

Nos seus comentários, a professora Fátima Souza comemorou: “Esse trabalho nos diz que o território é soberano. É o lugar onde a gente vai ler as várias expressões do adoecimento para definir que medidas temos que tomar. E gosto muito quando afirma a capacidade de evitar que as pessoas corram desesperadamente para o hospital por terem a confiança de que os trabalhadores estão monitorando. Viva a Atenção Básica!”.

São João do Triunfo

A quarta experiência apresentou o esforço dos profissionais de saúde bucal do município de São João do Triunfo (PR) para dar continuidade às ações preventivas, suspensas durante a pandemia, e evitar uma demanda reprimida no futuro. A cirurgiã-dentista Pauline Friederike mostrou como as três equipes de saúde bucal do município articularam um trabalho intersetorial com a educação para distribuir kits de higiene bucal e disseminar informações. Os próprios profissionais de saúde bucal construíram uma paródia para orientar os estudantes e a população em geral sobre como prevenir as cáries. “Esse trabalho demonstra a capacidade criativa em plena crise. Não abriram mão durante a pandemia de uma demanda que já é crescente em tempo de normalidade. De fato a criatividade supera o medo”, constata a comentarista.

Distrito Federal

A última experiência veio do Distrito Federal. O presidente da Câmara Técnica de Cuidados com a Pele, Ronivaldo Pinto Ferreira, relatou como foram sendo construídos protocolos para orientar os profissionais de saúde no atendimento de pessoas com estomias, lesões de pele e pé diabético, seja na Atenção Básica ou Especializada. O trabalho também demonstrou a preocupação com os profissionais de saúde, que vêm desenvolvendo lesões na pele com maior frequência devido ao uso dos Equipamentos de Proteção Individual (EPI). “Essa experiência prova que o DF tem profissionais comprometidos com a Atenção Básica”, elogiou Fátima Souza, que concluiu sua participação afirmando: “Nós entregamos o SUS à população brasileira. Não se trata mais de falar de desafios, mas de potencialidades. Estamos lutando pela seguridade do direito de viver e precisamos cuidar da grande maioria dos nossos municípios”.

Assista a live na íntegra:

Confira a lista dos trabalhos selecionados pelos avaliadores na 2ª etapa da Mostra Virtual Brasil, aqui tem SUS

Clique aqui e confira os 381 trabalhos selecionados pelos COSEMS nas duas primeiras etapas da Mostra 

As inscrições para a I Mostra Virtual Brasil, aqui tem SUS seguem abertas de forma contínua até 27 de setembro no site do I Congresso Virtual do Conasems. Para conferir o regulamento, clique aqui.

Compartilhar