Outubro Rosa: Cai o número de regiões de saúde sem mamógrafos

05/10/2017

A Campanha “Outubro Rosa” chama a atenção das mulheres para a prevenção e diagnóstico precoce da neoplasia de mama. Contudo, além das ações de rastreamento, é de extrema importância monitorar o cuidado adequado e integral dos casos detectados, procurando-se com isso diminuir a mortalidade por esta causa. O Programa de Avaliação do Desempenho do Sistema de Saúde (PROADESS), realizado pela Fiocruz, tem como objetivo contribuir para esse monitoramento e avaliação do sistema de saúde brasileiro, fornecendo subsídios para o planejamento de políticas, programas e ações de saúde para gestores de todas as esferas administrativas e disseminando informações sobre o desempenho do SUS nos seus distintos âmbitos.

O boletim  desta edição  mostra alguns indicadores relacionados à detecção precoce do câncer de mama para Brasil e Grandes Regiões, comparando os anos 2010 e 2015. Em relação à oferta de mamógrafos houve aumento, em 2015, em todas as grandes regiões do país, tanto no total da oferta de equipamentos quanto nos disponíveis ao SUS. O número de regiões de saúde sem mamógrafos diminuiu de 48 para 17, e constata-se também um aumento no número de regiões de saúde com mais de 3 mamógrafos por 100 mil habitantes, que eram 54 em 2010 e passaram para 109 em 2015. Essa ampliação da oferta de equipamentos foi maior nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste.

Quanto ao investimento em recursos humanos, medido pela quantidade de médicos ginecologistas, obstetras e mastologistas, nota-se no Boletim divulgado que em 2015 existiam 27 regiões de saúde, situadas principalmente nas regiões Norte e Nordeste, sem nenhum profissional. Apesar de precária, essa situação apresenta uma melhora significativa ao compararmos com o ano de 2010, quando 56 regiões de saúde não dispunham de médicos dessas especialidades, em 2015, a ausência de profissionais dessa área vinculados ao SUS é notada em 36 regiões de saúde,  ainda assim um número inferior às 68 regiões identificadas em 2010.

Confira o Boletim Informativo do PROADESS na íntegra