Conasems participa da Mesa “Novas mídias e o SUS” em Conferência do CNS

20/04/2017

Como construir argumentos e iniciativas que possibilitem uma disputa de narrativa com a mídia formal e por um SUS positivo? A pergunta norteou as discussões da mesa de debate “Novas mídias e o SUS”, que ocorreu nesta quarta-feira (19) durante a 1ª Conferência Nacional Livre de Comunicação em Saúde, em Brasília.

O assessor de comunicação do Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde (Conasems), Luiz Filipe Barcelos, apresentou os materiais produzidos pelo Conselho, como o manual do gestor e o catálogo de experiências exitosas das secretarias municipais de saúde. O destaque da apresentação foi a série de webdocumentarios Brasil, aqui tem SUS. que relatam em vídeo as experiências do SUS municipal. “Queremos mostrar o SUS que dá certo, o objetivo maior é dar voz para quem faz a saúde pública na ponta, quem executa as ações e merece reconhecimento. Os docs inspiram os gestores a ‘replicarem’ as ideias e investirem em boas ações, além disso,  estamos promovendo também uma pauta positiva sobre o SUS para a mídia”. De acordo com ele, a comunicação do Conasems foi reformulada há cerca de dois anos com o foco na informação mais eficiente e rápida para os gestores municipais de saúde. “É um desafio falar com mais de cinco mil municípios, mas estamos criando mecanismos para isso, como uma uma rede de comunicação entre o Conasems e os COSEMS que vem funcionando bem”.

Gabriel Estrela, youtuber e idealizador do Projeto Boa Sorte, destacou a importância da discussão sobre o HIV/AIDS e a saúde pública no contexto das novas mídias. “A saúde não é assunto de exclusividade dos médicos. Devemos garantir que as informações cheguem da forma mais transparente possível à população, mas especificamente a quem necessita conhecer o estado da saúde local do seu bairro, por exemplo. Saúde é ter condições de lutar contra o que te oprime”.

Na ocasião, Estrela apresentou o Projeto Boa Sorte, que traz em uma linguagem informal os conceitos e experiências do cotidiano do jovem ator de 24 anos. “No musical, eu tento apresentar de uma forma lúdica que saúde não é só biologia, é arte com o corpo, com a mente, é uma linguagem que deve ser incorporada ao discurso da população”, disse

> Conheça o Canal Projeto Boa Sorte

Juliana Acosta, conselheira nacional de saúde e mediadora da mesa, disse que é preciso apresentar estratégias para que se possa garantir as vozes da saúde pública. “O grande desafio da comunicação em saúde é criar alternativas para a democratização da informação de quem está na ponta. Utilizar espaços como as mídias digitais é mais uma forma de alcançar diversos atores envolvidos na defesa da saúde pública”, afirmou.

Confira a reportagem sobre a mesa de abertura da  1ª Conferência Nacional Livre de Comunicação e Saúde e sobre a mesa Desafios de Comunicação em Saúde”, que aconteceu nesta quarta-feira (19) pela manhã. 

 

Com informações do Conselho Nacional de Saúde (CNS)